Tempos de transição

Os tempos atuais mostram-nos, de forma urgente, a necessidade de remodelação de todas as bases de nossa sociedade, visto que, a realidade nos mostra no nosso dia-a-dia, a superação das que aí estão. A humanidade atual já não vive, mas, sobrevive, devido a um modelo econômico, político e social que a suga, indignifica-a, solapa-a em todas as suas aspirações. Por sua vez, os modelos religiosos tradicionais cegam-na, escondendo do homem o seu verdadeiro Eu e suas reais possibilidades de Ser, na sua mais ampla acepção.


É natural que revelações sobre os ciclos evolutivos da Terra suscitem inúmeros questionamentos. Um deles está relacionado ao fato de um determinado ciclo passado ter sido melhor do que ciclos mais recentes. Pergunta-se, então, como isso é possível, se a evolução espiritual é contínua e irreversível? Vamos entender, inicialmente, que ciclos estão associados às alternâncias de estado, não necessariamente sempre favoráveis, em termos de comportamento humano. Dessa forma, um ciclo, verificado na época em que a Terra ainda não apresentava grandes conquistas tecnológicas, abrigou uma humanidade formada por espíritos encarnados pacíficos e cooperativos, que assimilaram grandes

A cada ciclo, a Espiritualidade Maior, através das sucessivas humanidades, implanta melhorias no campo material, fazendo com que a casa, no princípio bastante humilde, seja transformada gradualmente numa mansão equipada. No entanto, a cada ciclo, seus novos moradores podem ou não bem utilizar essa habitação passageira, sendo melhores ou piores do que os anteriores em termos de aprendizado, ou mesmo, de respeito pela conservação do local. O aprendizado e a evolução sempre vão ocorrer. Entretanto, a humanidade de um ciclo pode obter aprendizados mais relevantes do que a humanidade de outros ciclos adiante, por ter aproveitado melhor as chances. Portanto, entendamos que os ciclos da Terra são como anos letivos de uma escola, em que cada humanidade, ou turma de alunos, pode ser mais ou menos aplicada do que as turmas anteriores, e até mais aplicada do que futuras turmas. Cada ciclo, assim, comporta uma humanidade diferente das demais. Cada humanidade, ao final de um ciclo, tem seu destino definido pelos próprios atos cometidos. Assim, muitos espíritos repetem o ano e continuam na Terra para o próximo ciclo, outros seguem com o astro intruso, para encarnações naquele orbe, e alguns são conduzidos para esferas planetárias mais evoluídas. Chegam, então, à Terra, novas levas de alunos que migraram de outras escolas, bem como aqueles que desceram do astro intruso, quando de sua passagem pelo planeta. Forma-se uma nova humanidade completamente diferente de qualquer outra que já esteve ou estará aqui. Mas, acontece de certos “repetentes” freqüentarem ciclos seguidos, como ocorre atualmente, quando alguns espíritos já se encontram no orbe terrestre há cinco ciclos consecutivos. Essa permanência insistente causa, nesses espíritos, certa revolta, pois, mesmo encarnados, sentem intuitivamente que já passaram por diversos carmas e provações nos vários ciclos, inclusive por cataclismos, advindo o cansaço das repetições. Entretanto, não mudam, e conservam suas imperfeições, fato que os coloca no rol de novas reprovações no futuro. Sem entender isso, começam a desejar uma Terra melhor, onde lhes será dado de graça tudo o que precisam de paz e de harmonia, sem provações ou doenças.


Fonte Dica da leitora Manoela Z. Bruscatto

  • Canal Oficial
  • Telegram do Verdade Mundial
  • Loja Verdade Mundial

© 2020 - Verdade Mundial | contato@verdademundial.com.br